Journal Information
Vol. 27. Issue S1.
XXIII Congresso Brasileiro de Infectologia
(October 2023)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 27. Issue S1.
XXIII Congresso Brasileiro de Infectologia
(October 2023)
Full text access
COVID LONGA: ESTUDO MULTICÊNTRICO BRASILEIRO
Visits
469
Ana Paula Bandeira Barbozaa,
Corresponding author
anapaulabarboza16@gmail.com

Corresponding author.
, Alessandra Luna-Muschia, Debora de Souza Faffeb, Elisa Teixeira Mendesc, Igor Borgesa, Rafael Mello Galliezb, Fabio Leald, Erika Manulid, Fabio Ghilardie, Vanderson Sampaiof, Ester Cerdeira Sabinoa, Terezinha Marta Castiñeirasb, Silvia Figueiredo Costaa
a Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, SP, Brasil
b Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil
c Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas), Campinas, SP, Brasil
d Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS), São Caetano do Sul, SP, Brasil
e Hospital Alemão Oswaldo Cruz, São Paulo, SP, Brasil
f Instituto Todos pela Saúde, São Paulo, SP, Brasil
This item has received
Article information
Special issue
This article is part of special issue:
Vol. 27. Issue S1

XXIII Congresso Brasileiro de Infectologia

More info
Introdução

a infecção pelo SARS-CoV-2 pode levar a persistência ou desenvolvimentos de sintomas além da fase aguda da doença, conhecida como COVID longa. Estima-se que 10-20% dos infectados evoluam com sintomas a longo prazo.

Métodos

Realizado estudo observacional multicêntrico com 2 coortes de indivíduos: coorte retrospectiva composta por infectados de setembro 2020 a dezembro 2021 (4 centros de São Paulo), e coorte prospectiva composta de profissionais de saúde, infectados de janeiro a dezembro 2022 (2 centros de São Paulo e 1 do Rio de Janeiro). Utilizado questionário eletrônico para avaliação sociodemográfica, comorbidades, imunização contra COVID-19, número de episódios de COVID-19, gravidade da doença e presença de 12 sintomas relacionados à COVID-19. O questionário foi aplicado 12 a 15 meses e 1 a 2 meses após o diagnóstico nas coortes retrospectiva e prospectiva, respectivamente. COVID longa foi definida como persistência ou desenvolvimento de 1 ou mais sintomas além de 4 semanas de infecção aguda. Os preditores de COVID longa foram avaliados com teste qui-quadrado, e variáveis com p < 0,05 foram incluídas no modelo de regressão logística. O software SPSS, versão 20, foi utilizado para análises estatísticas.

Resultados

Incluídos 1907 indivíduos, 76% (n = 1456) pertencentes à coorte prospectiva e 24% (n = 451) à retrospectiva. Mediana de idade 40 anos (28-53), 74% (n = 1409) do sexo feminino. Reinfeção ocorreu em 28% (n = 533) e doença grave em 0,05% (n = 105). Imunização completa com 1 ou 2 doses de reforço em 54% (n = 1037) e 12% (n = 229), respectivamente. Ausência de comorbidades em 67% (n = 1272). COVID longa foi identificada em 67% (n = 1281). Sintomas mais prevalentes: fadiga (60%, n = 771) e dificuldade de concentração (55%, n = 705). Os preditores de COVID longa foram sexo feminino (p < 0,001; OR2,33), número de infeções (p < 0,001; OR 2,20), gravidade da doença (p = 0,01; OR2,04) e presença de comorbidades (p < 0,001; OR 1,60, 1 comorbidade; p = 0,001; OR 2,02, 2 comorbidades e p = 0,001; OR 3,29, 3 ou mais comorbidades). O grau de imunização no momento da infecção demonstrou ser protetora nos vacinados com 1dose (p = 0,034; OR 0,51), 2 doses (p = 0,002; OR0,55); 2 doses e 1 reforço (p = 0,001; OR0,57) e 2 doses e 2 reforços (p < 0,001; OR0,30).

Conclusão

a prevalência de COVID longa foi elevada. Sexo feminino, gravidade da COVID-19, número de infecções e presença de comorbidades foram associadas com maior risco. O grau de imunização no momento da infecção aguda mostrou-se protetor

Palavras-chave:
COVID longa COVID-19 fator de proteção fator de proteção vacina
Full text is only aviable in PDF
The Brazilian Journal of Infectious Diseases
Article options
Tools