Journal Information
Vol. 22. Issue S1.
11° Congresso Paulista de Infectologia
Pages 17 (December 2018)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 22. Issue S1.
11° Congresso Paulista de Infectologia
Pages 17 (December 2018)
OR‐31
Open Access
CONHECIMENTO DE ESTUDANTE DE MEDICINA SOBRE RESISTÊNCIA AOS ANTIBIÓTICOS
Visits
...
Isabela Moraes Bernal, Larissa Eugênio Wada, Priscila Souza Schinzari, Tamiris Pontel de Oliveira, Victória Menezes Gadotti, Leonardo de Souza Piber, Carolina Toniolo Zenatti
Universidade de Santo Amaro (Unisa), São Paulo, SP, Brasil
Article information
Full Text

Data: 19/10/2018 ‐ Sala: 1 ‐ Horário: 15:40‐15:50 ‐ Forma de Apresentação: Apresentação oral

Introdução: Os antibióticos são compostos farmacológicos capazes de inibir o crescimento ou causar a morte de bactérias. A prevalência das infecções e o uso equivocado e indiscriminado de antibióticos promoveram o crescente desenvolvimento de resistência bacteriana. O combate à resistência bacteriana é um dos maiores desafios enfrentados hoje na saúde pública. Logo, os profissionais médicos devem ser orientados desde a graduação a ter conhecimento atualizado e constante a esse respeito.

Objetivo: Verificar o conhecimento dos estudantes do curso de medicina sobre resistência aos antibióticos.

Metodologia: Estudo transversal feito com alunos do primeiro ao sexto ano do curso de medicina de uma universidade em São Paulo. A pesquisa foi feita com questionário estruturado, dividido em três partes: avaliação da percepção sobre causas de resistência antimicrobiana, confiança durante a prescrição de antimicrobianos e conhecimento sobre o tema.

Resultado: Comparando os resultados entre os alunos do primeiro e sexto ano, nota‐se a melhoria da percepção sobre as causas de resistência aos antibióticos, com mais acertos das perguntas sobre o tema em cada grupo de alunos à medida que progridem no curso de medicina. Em relação às perguntas sobre a confiança durante a prescrição, os alunos do primeiro ano se mostraram menos confiantes, pois 45% responderam que “nunca se sentem confiantes” ao fazer diagnósticos de infecções ou definir condutas terapêuticas, enquanto que 47% dos estudantes do sexto ano afirmaram que “na maioria das vezes se sentem confiantes”. As respostas sobre conhecimentos gerais mostraram aumento progressivo de acertos ao decorrer da graduação, evidenciaram a progressão do aprendizado ao longo do curso.

Discussão/conclusão: Houve a compreensão e identificação da importância dos fatores causadores da resistência antimicrobiana. Entretanto, é notável a falta de segurança na hora de restringir o uso de antibióticos, que difere dos resultados obtidos sobre o domínio de conhecimentos gerais demonstrados pelas interrogações objetivas à medida que o estudante progride no curso de medicina. Com o passar dos anos, durante a formação médica espera‐se que o estudante perceba a carga de responsabilidade relacionada ao diagnóstico e tratamento de quadros infecciosos e provavelmente esse seja o motivo pelo qual houve significativo aumento na análise descritiva da prevalência de confiança com relação à prescrição farmacológica.

The Brazilian Journal of Infectious Diseases

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools