Journal Information
Vol. 22. Issue S1.
11° Congresso Paulista de Infectologia
Pages 14 (December 2018)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 22. Issue S1.
11° Congresso Paulista de Infectologia
Pages 14 (December 2018)
OR‐25
Open Access
DESCRIÇÃO CLINICO‐LABORATORIAL DOS PACIENTES COM CARGA VIRAL DETECTÁVEL PARA HIV
Visits
...
Graziella Hanna Pereira
Centro de Referência e Treinamento em DST/Aids, São Paulo, SP, Brasil
Article information
Full Text

Data: 18/10/2018 ‐ Sala: 5 ‐ Horário: 16:20‐16:30 ‐ Forma de Apresentação: Apresentação oral

Introdução: A importância do seguimento regular dos pacientes com HIV e a manutenção da carga viral para HIV indetectável são de suma importância para controle da epidemia.

Objetivo: Descrever as características clínicas e laboratoriais de pacientes com carga viral detectável persistentemente para HIV no período 2016‐18 no CRT‐DST/Aids.

Metodologia: Foram avaliados 328 pacientes, foram detectados 32 (9,7%) que apresentavam carga viral para HIV detectável por pelo menos três exames no período da avaliação (2017‐2018). Oito pacientes (25%) permaneceram com carga viral persistentemente detectável. Esses pacientes foram acompanhados pelo mesmo infectologista.

Resultado: Foram avaliados 32 pacientes, sexo masculino: 22, feminino nove e transexual um. A média de idade foi 44 anos (22‐78). Oportunistas detectados no momento do diagnóstico de HIV ocorreram em 32%: três pneumocistoses, quatro tuberculoses, uma citomegalovirose associada, uma toxoplasmose ocular, uma neurotoxoplasmose e sarcoma de Kaposi, uma pneumonia bacteriana e uma meningite bacteriana. Sífilis ocorreu em 13 pacientes (40%), duas eram neurossífilis. Comorbidade principal: depressão, transtorno de personalidade e ansiedade em 12 pacientes, uso de droga e álcool em dois pacientes, no total 44%. CD4 variou de 4 a 1.445, média de 514cel/mm3. A carga viral variou de 45 a 70.944 cópias/ml. Abaixo de 100 em 13, de 100‐500: seis, de 500‐5.000: quatro, de 5.000‐100.000: seis, acima de 100.000: três. Genotipagem foi feita em 15 pacientes: dois sem mutações, M184V em 11, K102N em seis, G190 em três e mutação para IPs (M46I, I50 L) em apenas um. Avaliando os esquemas antiretrovirais (TARV) usados antes e após carga viral detectável, houve manutenção do mesmo inibidor de protease (IP) em 10 pacientes e troca de IP em 14. Troca de EFV por IP em três pacientes e por DOL em um, de RAl por DOL em dois, uma troca de IP por EFV e uma permanência EFV. Causas de carga viral detectável: adesão em 15, adesão associada a resistência: oito, resistência cinco e escape quatro pacientes.

Discussão/conclusão: A adesão foi a principal causa de carga viral detectável em 72% dos pacientes. Apenas 20% dos pacientes apresentavam mutação, M184V, K102N e G190 foram as mais comuns, foi rara a resistência aos inibidores de protease. A maioria dos pacientes estava em uso de IP, mesmo durante a detecção do vírus. As trocas de TARV foram principalmente para melhoria da adesão. As alterações psiquiátricas foram determinantes para falta de adesão.

The Brazilian Journal of Infectious Diseases

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools