Journal Information
Vol. 22. Issue S1.
11° Congresso Paulista de Infectologia
Pages 115-116 (December 2018)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 22. Issue S1.
11° Congresso Paulista de Infectologia
Pages 115-116 (December 2018)
EP‐158
Open Access
HEPATITE B AGUDA: IMUNOPATOGÊNESE
Visits
...
Giovanna Marssola Nascimento, Ana Catharina de Seixas Nastri, Maria Irma Seixas Duarte
Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HCFMUSP), São Paulo, SP, Brasil
Article information
Full Text

Data: 19/10/2018 ‐ Sala: TV 2 ‐ Horário: 13:30‐13:35 ‐ Forma de Apresentação: E‐pôster (pôster eletrônico)

Introdução: Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), há 2 bilhões de pessoas infectadas pelo vírus da hepatite B (HBV). Trata‐se de um vírus DNA envelopado da família Hepadnaviridae, com fita dupla incompleta e reprodução do genoma viral por enzima transcriptase reversa. São conhecidos 10 genótipos e 39 subgenótipos, o subgenótipo A2 é relacionado com forma aguda. Sabe‐se que 95% dos adultos fazem clearance espontâneo em seis meses e que a infecção aguda é, geralmente, autolimitada; porém 1% dela torna‐se fulminante – a mortalidade dessa forma da doença é de 70%.

Objetivo: Avaliar os mecanismos de imunopatogênese da hepatite B aguda fulminante.

Metodologia: Paciente BLSL, masculino, 34 anos, apresentou‐se no Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo com quadro de hepatite fulminante cuja etiologia por hepatite B aguda foi estabelecida. Foi submetido a transplante hepático e o produto de explante foi enviado para análise anatomopatológica e imuno‐histoquímica a fim de se confirmarem os mecanismos de imunopatogênese da doença.

Resultado: Em análise macroscópica, tratava‐se de um produto de explante hepático que media 22,0 x 18,0 x 7,0cm e pesava 1.136g. Em análise histológica, exibia envolvimento necrótico hepático difuso, reação ductular (característica) associada, inflamação portal que variava de leve a moderada (com áreas de predomínio linfomononuclear). Os testes imuno‐histoquímicos evidenciaram: positividade para os antígenos HbC e HbS; marcadores de resposta imune inata (TOLL‐2, S100, INOS, CD68. CD57, C3, IL12) fortemente positivos; marcadores de resposta imune adaptativa (CD4, CD8, CD20, IFN‐gama, granzima) positivos; marcadores de resposta regulatória (FOXP3, IL‐10, TGF‐beta) pouco evidentes.

Discussão/conclusão: Tais resultados corroboram o que é encontrado na literatura. A hepatite B aguda desencadeia uma resposta imune exuberante, sobretudo inata e adapatativa citotóxica. Os linfócitos T citotóxicos promovem a eliminação dos vírus através da morte das células infectadas. A destruição dos hepatócitos é resultante, portanto, de um desbalanço entre resposta citotóxica e regulatória.

The Brazilian Journal of Infectious Diseases

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools