Journal Information
Vol. 22. Issue S1.
11° Congresso Paulista de Infectologia
Pages 23-24 (December 2018)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 22. Issue S1.
11° Congresso Paulista de Infectologia
Pages 23-24 (December 2018)
OR‐43
Open Access
IMPACTO DO CLONE ST16 NA LETALIDADE DE PACIENTES COM INFECÇÃO DA CORRENTE SANGUÍNEA POR KLEBSIELLA PNEUMONIAE PRODUTORA DE KPC
Visits
...
Priscila Pereira Dantas, Diego Olivier Andrey, Willames Brasileiro Martins, Ana Cristina Gales, Eduardo Alexandrin Medeiros
Escola Paulista de Medicina (EPM), Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), São Paulo, SP, Brasil
Article information
Full Text

Data: 19/10/2018 ‐ Sala: 3 ‐ Horário: 16:00‐16:10 ‐ Forma de Apresentação: Apresentação oral

Introdução: A disseminação de cepas de Klebsiella pneumoniae produtoras de carbapenemase (kpn‐KPC) no Brasil tornou‐se um sério problema de saúde pública, tendo em vista as reduzidas opções terapêuticas e a alta mortalidade relacionadas a infecções por esse agente.

Objetivo: Avaliar as características moleculares e seu impacto no desfecho clínico de pacientes com bacteremia por kpn‐KPC.

Metodologia: Foi feita avaliação de 125 isolados de kpn‐KPC, obtidos a partir de hemoculturas de pacientes admitidos em hospital universitário, de 2014 a 2016. A identificação dos agentes foi feita inicialmente a partir do método automatizado Phoenix e posteriormente por espectrometria de massa (MALDI‐TOF). A produção de carbapenemase foi confirmada por reação em cadeia de polimerase (PCR). A tipagem molecular das cepas foi feita com Pulsed‐field Gel Eletrophoresis (PFGE) e Multilocus Sequence Typing (MLST). Os dados clínicos foram obtidos por meio de revisão de prontuários.

Resultado: Entre os 125 casos, a mortalidade geral em 72h foi de 30% e em 30 dias foi de 64%. A análise de MLST mostrou que 92 isolados pertenciam ao CC258 (ST258 n=42, ST11 n=37, ST437 n=13), 19 ao ST16 e 14 a outros STs (ST15 n=6, ST101 n=4, ST307 n=2, ST29 n=1 e um novo ST n=1). Óbito em 72h ocorreu em 26% entre CC258, 24% entre ST11 e 47% entre ST16 (p=0,04). Óbito em 30 dias ocorreu em 55% entre CC258, 54% entre ST11 e 95% entre ST16 (p<0,01). Choque séptico ocorreu em 49% no CC258, 51% no ST11 e 72% no ST16 (p=0,06). Foi calculado escore de comorbidade de Charlson, obteve‐se média de 5,3 no CC258, 5,2 no ST11 e 4,6 no ST16 (p=0,2). A mediana do escore de bacteremia Pitt foi de 6 no CC258, 3 no ST11 e 4,5 no ST16 (p=0,04), enquanto que a média do Apache II foi de 24,4 no CC258, 23,8 no ST11 e 28,2 no ST16 (p=0,09). Em relação ao tratamento empírico usado, 39% no CC258 e 56% no ST16 foram considerados adequados (p=0,2). Pelo menos um antimicrobiano com atividade in vitro foi usado em 31% de CC258 e 39% de ST16, enquanto pelo menos dois antimicrobianos ativos foram usados em 8% do CC258 e 17% do ST16.

Discussão/conclusão: Os dados demonstraram a presença de vários clones de kpn‐KPC no hospital estudado, com evidência de alta mortalidade devido a um clone específico ST16, mesmo com características de gravidade e tratamento semelhantes entre os pacientes, evidenciaram a necessidade de elucidação de mecanismos de virulência ainda desconhecidos nessas cepas.

The Brazilian Journal of Infectious Diseases

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools