Journal Information
Vol. 26. Issue S1.
(January 2022)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 26. Issue S1.
(January 2022)
PI 256
Open Access
INFECÇÕES RELACIONADAS À ASSISTÊNCIA À SAÚDE NO BRASIL: PREVALÊNCIA MULTICÊNTRICA E ESTUDO CASO-CONTROLE PAREADO
Visits
...
Luiz Gustavo Machadoa, Daiane Silva Resendea, Paola Amaral de Camposa, Melina Lorraine Ferreiraa, Iolanda Alves Bragab, Caio Augusto Martins Airesc, Alexandre Marcio Boschirolid, Maria Tereza Freitas Tenórioe, Maria Maryllya Ferreira Franciscoe, Raniella Ramos de Limae, Paulo P. Gontijo Filhoa, Rosineide Marques Ribasa
a Universidade Federal de Uberlândia (UFU), Uberlândia, MG, Brasil
b Hospital de Clínicas da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), Uberlândia, MG, Brasil
c Universidade Federal Rural do Semi-Árido, Mossoró, RN, Brasil
d Hospital Governador Celso Ramos, Florianópolis, SC, Brasil
e Casa de Misericórdia de Maceió, Maceió, AL, Brasil
Article information
Introdução/Objetivo

Infecções relacionadas a assistência a saúde (IRAS) têm impacto direto no atendimento ao paciente e ambiente hospitalar, principalmente, para o sistema de saúde brasileiro. O objetivo do estudo foi descrever as tendências de IRAS em Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) de adultos de hospitais representativos no Brasil, usando pesquisa multicêntrica de prevalência pontual.

Métodos

O estudo foi realizado em 2019 em 22 UTIs de adultos (17 Clínicas-cirúrgicas e 5 Coronarianas) de 15 hospitais públicos e privados (escolhidos aleatoriamente) de portes diferentes no Brasil. Foi realizado estudo caso-controle onde os Casos foram aqueles que apresentaram IRAS no dia da pesquisa (cada caso pareado na mesma UTI), diagnosticado em prontuário, seja pelo médico assistente ou pelo médico do SCIH. Pacientes que apresentavam mais de um episódio de IRAS tiveram apenas a primeira infecção diagnosticada considerada. Um controle foi selecionado para cada caso. Os controles foram pacientes que ainda não haviam contraído a infecção. Os critérios utilizados para o pareamento foram: idade (variação de ± 10 anos), sexo, motivo da internação e tempo de risco (variação de ± 10 dias, esse período foi a permanência total no hospital antes do dia correspondente para os pacientes controle e antes da infecção para os pacientes caso.

Resultados

Foram estudados 386 pacientes, dos quais 136 (35,2%) estavam infectados; 106 (77,9%) desses tiveram pelo menos uma infecção adquirida na UTI. A prevalência de infecções adquiridas nas UTIs clínico-cirúrgicas foi 78,1% e nas coronarianas de 76,8%. A região Sul apresentou a maior frequência de IRAS (69,2%). Apenas 48,6% dos casos tiveram diagnóstico microbiológico. Houve predomínio de pneumonias (44,0%) causadas principalmente por bacilos gram-negativos não fermentadores e infecções de corrente sanguínea (33,6%), predominantemente causadas por Staphylococcus coagulase-negativa. Na análise dos fatores de risco, pacientes oncológicos em ventilação mecânica e em uso de β-lactâmicos com inibidores foram independentemente associados ao desenvolvimento de IRAS.

Conclusão

Nossos achados ilustraram a alta prevalência de IRAS em UTIs de adultos no Brasil, diagnosticadas sem critérios microbiológicos. As infecções mais comuns continuam sendo pneumonias causadas por bacilos gram-negativos. Esses dados ilustram a necessidade urgente das IRAS tornarem-se prioridade na agenda de saúde pública do Brasil.

Apoio

FAPEMIG/PPSUS, CNPq, CAPES.

Full text is only aviable in PDF
The Brazilian Journal of Infectious Diseases

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools