Journal Information
Vol. 22. Issue S1.
11° Congresso Paulista de Infectologia
Pages 87 (December 2018)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 22. Issue S1.
11° Congresso Paulista de Infectologia
Pages 87 (December 2018)
EP‐103
Open Access
RELATO DE CASO DE LINFO‐HISTIOCITOSE HEMOFAGOCÍTICA ASSOCIADA À INFECÇÃO POR INFLUENZA A (H1N1) EM UM PACIENTE PEDIÁTRICO
Visits
...
Maira Freire Cardoso, Jaques Sztajnbok, Artur Figueiredo Delgado, Werther Brunow de Carvalho
Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina, Instituto da Criança, São Paulo, SP, Brasil
Article information
Full Text

Data: 18/10/2018 ‐ Sala: TV 9 ‐ Horário: 14:12‐14:17 ‐ Forma de Apresentação: E‐pôster (pôster eletrônico)

Introdução: Apesar de a maioria evoluir favoravelmente, diversos pacientes com influenza A tornam‐se críticos, necessitaram de cuidados intensivos. O mecanismo que leva à disfunção de múltiplos órgãos e morte em pacientes com H1N1 ainda não está claro. Diversos estudos sugerem que alterações hematológicas e linfo‐histiocitose hemafagocítica estejam relacionados a desfechos desfavoráveis. A linfo‐histiocitose hemofagocítica (LHH) é rara, mas potencialmente fatal, caracterizada por febre, citopenias, hepatoesplenomegalia, linfadenopatia, disfunção hepática e de coagulação e encefalopatia. A LHH ocorre por intensa liberação de citocinas, com ativação de linfócitos T e macrófagos, resulta em disfunção de múltiplos órgãos, pode levar à morte.

Objetivo: Relatar um caso de uma linfo‐histiocitose hemofagocítica associada à infecção por H1N1 com evolução favorável em uma criança.

Metodologia: Criança de sete meses admitida no PS em 19/06/18 com história de tosse, coriza e febre, em mau estado geral, cianose central, taquidispineia e sibilos difusos. Introduzidos metilprednisolona 1mg/kg e salbutamol. Raios X de tórax com consolidação em ápice direito e teste rápido de influenza A ‐ H1N1 positivo. Diagnosticada síndrome respiratória aguda grave, iniciados Oseltamivir e Ceftriaxone e mantida metilprednisolona 1mg/kg. Em 23/06/18 notado baço e fígados palpáveis. Solicitados exames laboratoriais seriados e ultrassonografia de abdômen. O ultrassom revelou baço aumentado e fígado na faixa superior de normalidade. Colhidas sorologias para Ebstein‐Barr, citomegalovírus, HIV, hepatite B e toxoplasmose negativas. Com base na febre, esplenomegalia, hiperferritinemia, anemia, plaquetopenia, hipertrigliceridemia, hipofibrinogenemia, além de nível abaixo da referência de células NK, diagnosticada linfo‐histiocitose hemofagocítica. Em 24/06 evoluiu com pioria clínica e de exames laboratoriais, necessitou de concentrado de hemácias e plasma e de acesso central. Com o tratamento do H1N1 em curso, associado a corticoterapia, teve melhoria gradual clínica e laboratorial, recebeu alta hospitalar em 02/07/18.

Discussão/conclusão: Devemos estar atentos à infecções por H1N1 que evoluam de forma desfavorável: a presença de alterações laboratoriais e o exame físico podem sugerir linfo‐histiocitose hemofagocítica, que, apesar de rara, tem alta mortalidade. O início precoce com antivirais nesses casos parece melhorar o desfecho, enfatiza a importância do diagnóstico e tratamento para melhoria de sobrevida desses pacientes.

The Brazilian Journal of Infectious Diseases

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools