Journal Information
Vol. 22. Issue S1.
11° Congresso Paulista de Infectologia
Pages 83 (December 2018)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 22. Issue S1.
11° Congresso Paulista de Infectologia
Pages 83 (December 2018)
EP‐096
DOI: 10.1016/j.bjid.2018.10.158
Open Access
ACOMPANHAMENTO AMBULATORIAL DIFERENCIADO DE PACIENTES COM AIDS AVANÇADA
Visits
...
Maísa Miguel Benette, Stephanie Mucheli, Cristiane da Cruz Lamas
Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas (INI‐Fiocruz), Rio de Janeiro, RJ, Brasil
Article information
Full Text

Data: 18/10/2018 ‐ Sala: TV 8 ‐ Horário: 14:12‐14:17 ‐ Forma de Apresentação: E‐pôster (pôster eletrônico)

Introdução: O Brasil tem em média 40 mil novos diagnósticos de HIV por ano. Mesmo com testagem e tratamento gratuitos, ainda é alta a quantidade de diagnósticos tardios, especialmente em pacientes jovens.

Objetivo: Acompanhar diferenciadamente pacientes com Aids avançada, definida como CD4<100, reforçar a adesão à terapia antirretroviral, em ambulatório pós‐alta.

Metodologia: Estudo seccional com intervenção da equipe através da aplicação do questionário e acompanhamento clínico e farmacêutico. A amostra é de conveniência, de pacientes com alta recente, de setembro 2017 a maio de 2018. Foram incluídos pacientes adultos que assinaram o termo de consentimento. Foram aplicados questionários, um especificamente desenhado para o estudo, o de avaliação de capacidade funcional ADL (Activities of Daily Living) e instrumental ADL e o de qualidade de vida (WHOQOL‐HIV).

Resultado: Foram recrutados 17 pacientes, a maioria do sexo masculino (94,1%), com idade 38,9±8,4 anos, 70,5% heterossexuais e solteiros (66%). Quanto a trabalho, 52,9% não tinham ocupação e 76,4% residiam com parentes. Quanto à via de transmissão de HIV, 52,9% relatavam ter sido sexual, mas 41% dos candidatos desconheciam a via de transmissão. Todos tinham sido internados no último ano com Aids, cinco internações por pneumocistose (29%), quatro por tuberculose disseminada (23,5%) e duas por histoplasmose disseminada (11,7%). Contagem de CD4 mostrou média de 136±122 células, percentual de CD4 de 8,8±6% e relação CD4/CD8 de 0,15±0,14. Quanto a hábitos, 29,4% fumavam, 35,3% ingeriam bebida alcoólica e 23,6% usavam drogas ilícitas. Quando perguntados sobre o que facilitaria a adesão ao tratamento, 64,7% destacaram comprimidos menores, 47% responderam que menos efeitos colaterais, 82,3% relataram a tomada uma vez ao dia. Apenas 17,6% preferiam medicação em injeção. Em relação à qualidade de vida, 56% relataram ter uma boa qualidade de vida, 50% ter sentimentos negativos, como ansiedade, depressão, mau humor e desespero. Contudo, 43,7% estavam satisfeitos com a própria saúde.

Discussão/conclusão: A maioria dos pacientes do ambulatório pós‐alta era homem e heterossexual. O percentual de CD4 e a relação CD4/CD8 espelharam melhor o grau de imunocomprometimento. Consultas médicas frequentes ajudaram na adesão à TARV. Mesmo com Aids avançada, a maioria relatava boa qualidade de vida e muitos estavam satisfeitos com a própria saúde, apesar de sentimentos de negatividade.

The Brazilian Journal of Infectious Diseases

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools