Journal Information
Vol. 22. Issue S1.
11° Congresso Paulista de Infectologia
Pages 82-83 (December 2018)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 22. Issue S1.
11° Congresso Paulista de Infectologia
Pages 82-83 (December 2018)
EP‐095
DOI: 10.1016/j.bjid.2018.10.157
Open Access
CARACTERIZAÇÃO DOS CASOS NOVOS DE HIV EM SAE NA AMAZÔNIA OCIDENTAL
Visits
...
Josilene Bernardes Barros, Maiara C. Soares Ferreira, Mariana P. Alves Vasconcelos, Bruno A. Ayres Calháo, Bruno G. Costa Silva
Centro de Medicina Tropical de Rondônia (Cemetron), Porto Velho, RO, Brasil
Article information
Full Text

Data: 18/10/2018 ‐ Sala: TV 8 ‐ Horário: 14:05‐14:10 ‐ Forma de Apresentação: E‐pôster (pôster eletrônico)

Introdução: A meta audaciosa da Unaids 90‐90‐90 em resposta à pandemia do vírus da imunodeficiência humana (HIV) prevê até 2020 90% de diagnóstico, 90% de adesão ao tratamento e 90% de supressão viral.

Objetivo: Avaliar a realidade do perfil epidemiológico e imunológico de casos de HIV/Aids cadastrados de 2012 a 2016 no Serviço de Atendimento Especializado (SAE) em Porto Velho, no Estado de Rondônia, na Amazônia Ocidental.

Metodologia: Estudo observacional retrospectivo e descritivo com base em pesquisa de 1.624 exames em prontuário eletrônico no Sistema de Controle de Exames Laboratoriais CD4/CD8 e carga viral do HIV (Siscel) e banco de dados do SAE. Foram excluídas 252 crianças, 16 duplicidades de prontuários e 73 prontuários não localizados, restaram 1.283 de amostra final.

Resultado: A média de diagnósticos por ano foi de 256,6 (240 a 283) com desvio‐padrão (DP) de 18,86. No sexo masculino a média foi de 171,8 (155 a 202) com DP de 19,97. No sexo feminino foi de 84,8 (68 a 101) com DP de 12,01. A média de idade foi de 35 anos (13 a 88) com DP de 11,86. A média do CD4 após diagnóstico foi de 350 cels/mm3 com DP de 292,6. Em 2018, a média do CD4 foi de 575,7 (um a 2.574) com DP de 339,8. Dos casos, 85% tinham carga viral (CV>1.000 cópias/ml) nos exames iniciais. Dos casos, 67% tinham CV não detectada e 74% têm adesão nos exames atuais (2018).

Discussão/conclusão: O estudo revelou um padrão semelhante ao nacional, 67% são do sexo masculino, 63% têm idade entre 20‐40 anos e 76% residem na capital (Porto Velho). Houve diferença estatística significativa entre os gêneros (p<0,05) e diagnóstico mais precoce no sexo masculino. Não houve diferença estatística significante nesses cinco anos analisados. Nos exames iniciais após diagnóstico, 40% foram diagnosticados com imunossupressão (CD4<350 cels/mm3) e 30,5% com CV elevada (> 100.000 cópias/ml), caracterizaram diagnóstico em fase avançada da doença. Nos exames atuais (2018), após tempo suficiente para aderir ao tratamento e ter recuperação imunológica, 47,5% tinham CD4>500 céls/mm3, 74% têm adesão e 67% obtiveram supressão viral. Nossos dados são um retrato do trabalho contínuo de cuidado às pessoas que vivem com HIV (PVHIV) neste serviço. Há um longo caminho a percorrer para se adequar à meta. É um desafio para equipe multidisciplinar suprir essa lacuna, já que estamos próximos de 2020, para assim reduzir drasticamente a transmissibilidade e mortalidade, melhorar a qualidade vida e ambicionar a discriminação zero.

The Brazilian Journal of Infectious Diseases

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools