Journal Information
Vol. 22. Issue S1.
11° Congresso Paulista de Infectologia
Pages 127-128 (December 2018)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 22. Issue S1.
11° Congresso Paulista de Infectologia
Pages 127-128 (December 2018)
EP‐181
DOI: 10.1016/j.bjid.2018.10.243
Open Access
AVALIAÇÃO DA PRODUÇÃO DE METALOPROTEINASES DE MATRIZ POR NEUTRÓFILOS E MACRÓFAGOS HUMANOS EM RESPOSTA AO PARACOCCIDIOIDES BRASILIENSIS
Visits
...
Marina Pozzi Lanza, Ronei Luciano Mamoni, Luana Carolina Rech, Ana Lúcia Galastri
Faculdade de Medicina de Jundiaí, Jundiaí, SP, Brasil
Article information
Full Text

Ag. Financiadora: Fapesp; Capes/CNPq

N°. Processo: #2013/24286‐0

Data: 19/10/2018 ‐ Sala: TV 5 ‐ Horário: 13:51‐13:56 ‐ Forma de Apresentação: E‐pôster (pôster eletrônico)

Introdução: A paracoccidioidomicose (PCM) é a micose sistêmica mais prevalente no Brasil. É causada por fungos dimórficos do gênero Paracoccidioides (P. brasiliensis [Pb] e P. lutzii) e acomete principalmente pulmões, tecidos epiteliais e o sistema fagocítico‐mononuclear. A doença apresenta duas formas clínicas: na forma aguda ocorre processo granulomatoso frouxo com numerosos fungos; e na forma crônica granulomas epitelioides com poucos fungos, frequentemente evolui para fibrose, com sequelas incapacitantes. Em outras doenças, também caracterizadas por fibrose, sabe‐se que enzimas denominadas metaloproteinases de matriz (MMPs) participam da destruição e remodelação tecidual, mas na PCM o conhecimento sobre o papel dessas enzimas ainda é incipiente.

Objetivo: Avaliar a produção e atividade gelatinolítica de MMPs (MMP‐1, MMP‐2, MMP‐3 e MMP‐9) por neutrófilos e macrófagos humanos estimulados com células leveduriformes de Pb.

Metodologia: Monócitos e neutrófilos foram purificados por separação imunomagnética a partir de amostras de sangue periférico obtidas de indivíduos saudáveis. Macrófagos foram diferenciados a partir dos monócitos pelo tratamento com GM‐CSF por cinco dias. Após purificação (neutrófilos) e diferenciação (macrófagos), as células foram estimuladas com células leveduriformes Pb (cepa Pb18) ou LPS por 24 horas. A produção de MMPs nos sobrenadantes de cultura foi avaliada por Elisa e sua atividade gelatinolítica foi avaliada por zimografia de lisados celulares.

Resultado: Nossos resultados mostraram que para neutrófilos ocorreu aumento da produção das MMP‐2, MMP‐3 e MMP‐9 após estímulo com as leveduras, além de aumento da atividade gelatinolítica de MMP‐9. Para macrófagos, observou‐se padrão semelhante, além de elevação de MMP‐1 após estimulação; com aumento da atividade da MMP‐2 e da MMP‐9.

Discussão/conclusão: Nossos resultados mostraram que células leveduriformes de Pb são potentes indutores da produção de MMPs por neutrófilos e macrófagos. A produção aumentada dessas enzimas e o aumento de sua atividade podem estar relacionados ao dano tecidual e remodelamento observados em pacientes, resulta em fibrose progressiva e, portanto, contribui para a disfunção orgânica grave e as condições incapacitantes observadas em alguns pacientes com PCM.

The Brazilian Journal of Infectious Diseases

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools