Journal Information
Vol. 22. Issue S1.
11° Congresso Paulista de Infectologia
Pages 75-76 (December 2018)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 22. Issue S1.
11° Congresso Paulista de Infectologia
Pages 75-76 (December 2018)
EP‐081
DOI: 10.1016/j.bjid.2018.10.143
Open Access
AVALIAÇÃO DE TEMPO E RISCOS ASSOCIADOS À OCORRÊNCIA DE EVENTOS ÚNICOS E MÚLTIPLOS DE INFECÇÕES POR P. VIVAX E P. FALCIPARUM EM UMA COORTE RURAL NA AMAZÔNIA BRASILEIRA
Visits
...
Mariana Carreira Geralde, Alice Tobal Verro, Mônica da Silva‐Nunes, Carlos Eugênio Cavasini, Natal Santos da Silva
União das Faculdades dos Grandes Lagos (Unilago), São José do Rio Preto, SP, Brasil
Article information
Full Text

Ag. Financiadora: CNPq, Fapesp

N°. Processo: ‐

Data: 18/10/2018 ‐ Sala: TV 6 ‐ Horário: 14:05‐14:10 ‐ Forma de Apresentação: E‐pôster (pôster eletrônico)

Introdução: Em 2016 o Brasil foi responsável por mais de 30% dos casos de malária do mundo, a maior parte restrita à região amazônica. Apesar da incidência global dessa protozoonose ter diminuído, as atividades para o seu controle ainda são insuficientes. Assim como há deficiência de estudos na literatura sobre a avaliação do tempo entre os eventos dessa enfermidade.

Objetivo: Avaliar o tempo até a primo‐infecção, o tempo entre múltiplos eventos e os fatores de risco associados.

Metodologia: O seguimento foi feito ao longo de 70 meses (2001 a 2006) numa coorte de 531 indivíduos, localizados em um assentamento agrícola no Estado do Acre. Os casos diagnosticados foram submetidos à análise de sobrevivência. Para a avaliação da proporcionalidade dos riscos das covariáveis usou‐se o estimador de Kaplan‐Meier (K‐M). As curvas de sobrevida foram comparadas pelo teste de log‐rank e pelo de Peto. Por fim, a regressão de Cox estimou o risco das covariáveis causarem a infecção em determinados intervalos. Quatro modelos foram construídos: dois para o tempo até o primeiro evento e dois para múltiplas infecções, tanto para Plasmodium vivax quanto P. falciparum. As idiossincrasias dos infectados foram minimizadas pelo modelo de fragilidade.

Resultado: Os indivíduos acompanhados tenderam a experimentar o primeiro evento de P. vivax mais precocemente do que para o primeiro evento de falciparum (70% sobreviveram por 1.100 dias para P. vivax e 85% sobreviveram até 1.000 dias para P. falciparum). Eventos múltiplos de P. vivax não aconteceram em cerca de 1.300 dias para 50% dos indivíduos, enquanto que para P. falciparum 80% sobreviveram no mesmo intervalo. Indivíduos do sexo masculino apresentaram menor sobrevida, durante o período estudado, assim como aqueles pertencentes aos níveis socioeconômicos mais baixos para ambas as espécies de plasmódio.

Discussão/conclusão: O comportamento dos gráficos de K‐M para os múltiplos eventos de P. vivax ou de P. falciparum assemelha‐se ao da primo‐infecção. O baixo nível socioeconômico foi um fator de risco que permaneceu estatisticamente significante em ambas as infecções (p<0,001), diferiu de outros estudos: um feito no Estado de Mato Grosso (1997) e outro nas Filipinas (1997). Pôde‐se concluir que a sobrevida para os eventos de P. vivax foi menor do que para P. falciparum, tanto para o primeiro quanto para múltiplos eventos. Entretanto, os riscos foram semelhantes para a aquisição de ambas as espécies.

The Brazilian Journal of Infectious Diseases

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools