Journal Information
Vol. 22. Issue S1.
11° Congresso Paulista de Infectologia
Pages 6 (December 2018)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 22. Issue S1.
11° Congresso Paulista de Infectologia
Pages 6 (December 2018)
OR‐10
DOI: 10.1016/j.bjid.2018.10.011
Open Access
CARACTERIZAÇÃO DA EXPANSÃO DE PLASMOBLASTOS E DO REPERTÓRIO DE ANTICORPOS INDUZIDOS PELA VACINAÇÃO COM 17DD E INFECÇÃO PELO VÍRUS DA FEBRE AMARELA
Visits
...
Mariana P. Marmorato, Núria Pedreño‐Lopez, Joana R. Deheinzelin, Diogo M. Magnani, Varian K. Bailey, Priscilla R. Costa, Luiz G.F.A.B.D. Zanella, Carlos H.V. Moreira, Renata Buccheri, Vivian I. Avelino‐Silva, Natália B. Cerqueira, Cássia G.T. Silveira, Ho Yeh‐Li, David I. Watkins, Esper G. Kallás
Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, SP, Brasil
University of Miami, Flórida, EUA
Article information
Full Text

Ag. Financiadora: Fapesp, CNPQ, NIH

N°. Processo: 2017/08953‐8

Data: 18/10/2018 ‐ Sala: 2 ‐ Horário: 16:20‐16:30 ‐ Forma de Apresentação: Apresentação oral

Introdução: A febre amarela (FA) é uma arbovirose que representa um importante problema de saúde pública. A vacina 17DD protege contra a infecção pelo vírus selvagem da FA (VFA) provavelmente por induzir anticorpos (Acs) neutralizantes, mas a cinética de expansão de plasmoblastos (PBs) específicos para VFA induzidos por ela nunca foi avaliada.

Objetivo: Caracterizar a expansão de PBs e o repertório de Acs induzidos pela 17DD e pela infecção pelo VFA.

Metodologia: A cinética de expansão de PBs (CD27high CD38high) foi avaliada após citometria de fluxo multiparamétrica em alíquotas de sangue periférico coletadas de indivíduos vacinados (n=7), antes e após vacinação, e de indivíduos com infecção natural pelo VFA (n=70), após o início dos sintomas. PBs únicos derivados dos dois grupos foram isolados (FACS Aria II) e o sequenciamento do cDNA de 417 pares de cadeias leves e pesadas de Acs foi feito para identificar recombinação V(D)J e os níveis de hipermutação somática (HMS).

Resultado: Nos vacinados, foi observado um aumento significativo na frequência de PBs circulantes (11,9%, comparado ao basal) no dia 7 pós‐vacinação (41,5%; p=0,0034), com pico no dia 14 (44,1%; p=0,0069). A frequência de PBs circulantes foi maior em infectados do que em vacinados (66,2%, p<0,0001), com pico de expansão detectado no dia 6 após início de sintomas. Vários Acs isolados apresentavam HMS (média de 11 trocas de aminoácidos em ambos os grupos) e eram específicos para VFA com capacidade modesta de ligação, nenhum foi capaz de neutralizar a cepa 17DD.

Discussão/conclusão: Nossos dados sugerem que a 17DD e a infecção por VFA estimulam expansão de PBs e expressam Acs de baixa afinidade durante a fase aguda da doença.

The Brazilian Journal of Infectious Diseases

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools