Journal Information
Vol. 25. Issue S1.
12° Congresso Paulista de Infectologia
(January 2021)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 25. Issue S1.
12° Congresso Paulista de Infectologia
(January 2021)
EP‐131
DOI: 10.1016/j.bjid.2020.101209
Open Access
FEBRE ENTÉRICA SEPTICÊMICA DE APRESENTAÇÃO ATÍPICA EM INDIVÍDUO IMUNOCOMPROMETIDO
Visits
...
Matheus Cordeiro Marchiotti, João Nobre Cabral, Danilo Zangirolami Pen, Carla Zanetta Turcato, Alexandre Martins Portelinha Filh, José Antônio Bressa, Letícia Moraes Lira
Hospital Regional de Presidente Prudente, Presidente Prudente, SP, Brasil
Article information
Full Text

Introdução: A febre entérica (FE) é uma doença sistêmica caracterizada pela presença de febre e dor abdominal. O agente tipicamente envolvido na patogênese é a Salmonella entérica, sorotipo Tiphy (S. Tiphy). Outros sorotipos podem causar uma síndrome semelhante, como o sorotipo Paratiphy A, B ou C. A denominação febre entérica é um nome genérico para denominação tanto da febre tifóide quanto paratifóide.

A ocorrência da FE é de predominância nas crianças e adultos jovens. Concentra‐se em áreas pobres e populosas, devido à escassez de saneamento básico. A transmissão do parasita ocorre por meio da ingestão de água e alimentos contaminados.

Os inícios dos sintomas variam entre 5 a 21 dias após a ingestão do parasita, o que depende da idade, estado imunológico, quantidade de inócuo ingerido e acidez gástrica.

Objetivo: Este presente relato apresenta um caso de Febre Entérica com apresentação atípica em paciente portador de Mielodisplasia de Múltipla Linhagem.

Metodologia: Paciente masculino, 73 anos, portador de Mielodisplasia de Múltipla Linhagem, deu entrada no serviço de saúde com febre alta aferida há 1 semana, fraqueza, hiporexia, tosse seca, náuseas, vômitos e quatro episódios de crise convulsivas.

Ao exame físico, encontrava descorado, hidratado, eupneico, acianótico, anictérico, afebril, ausência de sinais meníngeos, pele íntegra, ausculta cardiopulmonar inalterada, abdômen flácido depressivo, sem hepatoesplenomegalia.

Achados laboratoriais da admissão: hb: 8,3, plaq: 23k, leuco: 2,79, 9% de bastões, creat: 1,3 e ureia: 47. Por hipótese de sepse e internação recente, introduziu‐se Meropenem e solicitado hemoculturas, as quais apresentaram Salmonella spp em 3 amostras. Teste de Widal positivo para subtipo paratyphi B. Paciente relatou consumo diário de água de poço artesiano comunitário.

Discussão/Conclusão: Febre Entérica deve ser aventanda em quadro febril superior há 3 dias, associado a sintomas gastrointestinais, e que resida ou tenha viajado para área endêmica de FE. Manifestações atípicas incluem encefalopatia, artralgia e tosse seca. O paciente apresentava quadro febril com manifestações atípicas.

O diagnóstico definitivo é dado pela demonstração do S. Tiphy ou S. Paratiphy em culturas. Os testes sorológicos, como o teste de Widal, são utilizados de forma complementar. As opções terapêuticas são: fluoroquinolonas, cefalosporina de 3ª geração ou Azitromicina. Optado por Meropenem em decorrência da septicemia e internação recente. Evoluiu com melhora progressiva recebendo alta.

The Brazilian Journal of Infectious Diseases

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools