Journal Information
Vol. 22. Issue S1.
11° Congresso Paulista de Infectologia
Pages 141 (December 2018)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 22. Issue S1.
11° Congresso Paulista de Infectologia
Pages 141 (December 2018)
EP‐207
Open Access
INFECÇÃO PULMONAR POR MICOBACTÉRIA NÃO TUBERCULOSA EM PACIENTE IMUNOCOMPETENTE
Visits
...
Pedro Rodrigues de Carvalhoa,b, Ana Laura Batista Guimarãesa,b, Jessica Alves Vasseloa,b, Thaísa Bonardia,b, Marcelo Ceneviva Macchionea,b
a Centro Universitário Padre Albino (Unifipa), Catanduva, SP, Brasil
b Faculdade de Medicina de Catanduva (Fameca), Catanduva, SP, Brasil
Article information
Full Text

Data: 19/10/2018 ‐ Sala: TV 9 ‐ Horário: 13:44‐13:49 ‐ Forma de Apresentação: E‐pôster (pôster eletrônico)

Introdução: As micobactérias não tuberculosas (MNT) são classificadas de acordo com a sua velocidade de crescimento: lenta ou rápida. As micobactérias de crescimento rápido (MCR) podem ser das espécies M. abscessus, M. chelonae e M. fortuitum. O patógeno humano mais importante é o M. abscessus, responsável por 80% dos casos de infecção pulmonar entre as MCR. O diagnóstico de infecção por MCR é importante para distinção de MCR de M. tuberculosis, já que a tuberculose (TB) requer rastreamento de saúde pública e tem tratamento diferente.

Objetivo: Relatar caso clínico de uma paciente imunocompetente portadora de micobacteriose não tuberculosa.

Metodologia: Paciente, 55 anos, enfermeira, procurou atendimento em 06/09/2017, referiu tosse com expectoração mucoide havia um mês, sem hemoptise. Negou febre e emagrecimento. Sem história de imunodeficiência congênita ou adquirida, doença pulmonar de base e procedimentos cirúrgicos recentes. Negou tabagismo. Diante disso, solicitou‐se raios X de tórax, que demonstrou a presença de opacidade heterogênea no lobo superior direito. Foi feita tomografia de tórax, que demonstrou a presença de nódulos acinares e centrolobulares com aspecto de árvore em brotamento, além de lesões escavadas no segmento apical direito. Diante da possibilidade de TB, a paciente foi orientada a coletar escarro para baciloscopia. Durante segunda consulta, mantinha tosse seca e encontrava‐se em bom estado geral. Trouxe o resultado das três baciloscopias solicitadas, todas positivas. Diante desse diagnóstico presuntivo de tuberculose pulmonar, iniciou‐se o tratamento com esquema Ripe enquanto aguardávamos o resultado do PCR e da cultura. Em 18/10/2017, retornou para reavaliação. O resultado do PCR não detectou DNA para M. tuberculosis. As cinco amostras enviadas para cultura foram positivas para MNT. A espécie identificada foi a Micobacteryum abscessus abscessus. Diante disso, solicitou‐se teste de sensibilidade aos antimicrobianos, que evidenciou sensibilidade bacteriana à claritromicina e amicacina, iniciou‐se tratamento.

Discussão/conclusão: Os fatores predisponentes para as infecções pulmonares causadas por MCR incluem feridas cirúrgicas recentes, doença esofágica, malignidade, doença pulmonar subjacente, principalmente bronquiectasias, e doenças reumatológicas. Uma das características clínicas da doença é o acometimento pulmonar bilateral. A paciente, no entanto, não apresentava qualquer dessas condições, evidenciou‐se a particularidade do caso.

The Brazilian Journal of Infectious Diseases

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools