Journal Information
Vol. 22. Issue S1.
11° Congresso Paulista de Infectologia
Pages 138 (December 2018)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 22. Issue S1.
11° Congresso Paulista de Infectologia
Pages 138 (December 2018)
EP‐201
Open Access
EFEITO PROZONA DE ANTIGENEMIA CRIPTOCÓCCICA POR LFA SÉRICA – RELATO DE CASO
Visits
...
Moara A.S.B. Borgesa,b, Bruno D.J.S. Oliveiraa,b, Isabela S. Moreiraa,b, Vanessa V. de Paulaa,b, Angelica L.D.B. Chagasa,b, Cassia S.M. Godoya,b, Renata D.B.A. Soaresa,b, Joao Ada Filhoa,b, Marilia D. Turchia,b
a Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública (IPTSP), Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiânia, GO, Brasil
b Hospital Estadual de Doenças Tropicais Dr. Anuar Auad (HDT/HAA), Goiânia, GO, Brasil
Article information
Full Text

Ag. Financiadora: Fapeg

N°. Processo: 17.809

Data: 19/10/2018 ‐ Sala: TV 8 ‐ Horário: 13:51‐13:56 ‐ Forma de Apresentação: E‐pôster (pôster eletrônico)

Introdução: A criptococose é uma infecção fúngica oportunista, causada pelo complexo de espécies Cryptococcus spp, que frequentemente atinge pacientes com Aids. A detecção de antígeno capsular criptocóccico (CrAg) em HIV + com CD4 baixo é recomendada pela OMS desde 2011. A técnica lateral flow assay (LFA) é inovadora e tem sensibilidade em sangue reportada de 100% (97,4–100), especificidade de 96,8% (93,7–98,6) e valor preditivo negativo de 100% (98,1–100). Entretanto, casos de criptococcose com CrAg negativo já foram reportados na literatura.

Objetivo: Descrever um episódio de antigenemia criptocóccica por LFA falso‐negativa, por possível efeito prozona.

Metodologia: Paciente masculino, 57 anos, HIV + havia 13 anos, sem acompanhamento. Internação recente em 12/2017. CD4=42 cél/ml (5%); CV=805.439 cóp/ml (log 5,9); CrAg por látex e hemocultura para fungos negativos. Avaliado em 29/01/2018 com queixa apenas de fraqueza. CrAg por LFA em sangue negativo, foi orientado seguimento clínico e adesão à TARV. Hemocultura pareada resultou positiva para Cryptococcus spp, porém houve perda de seguimento. Em 05/2018 retornou assintomático, recuperara 30kg e em uso regular de medicações. Os exames de CrAg por LFA e Látex foram reagentes, em titulação 1:64 pelo último método. Hemocultura e urocultura para fungos negativas. Novo CD4=223 cél/ml (11%) e CV<limite. LCR: leucócitos 5, hemaceas 23, glicose LCR 62, proteína 53, CrAg LFA negativo, pesquisas e culturas negativas. Tomografia computadorizada de tórax evidenciou nódulo com densidade de partes moles e contorno regular no segmento anterior do lobo superior do pulmão direito, media 2,2×1,2cm. Optou‐se por tratamento de criptocccose pulmonar com fluconazol 800mg/2 semanas, seguido de fluconazol 400mg/6 meses.

Discussão/conclusão: Entre as causas de CrAg falso‐negativo podemos enumerar: baixa carga fúngica; reação de prozona devido a altos títulos de antígenos (> 1:256); presença de imunocomplexos que impedem liberação de Glucuronoxylomanana; cepas hipocapsulares ou acapsulares de Cryptococcus spp. O caso relata uma reativação de criptococcose pulmonar em imunodeprimido, com provável efeito prozona de CrAg por LFA. TARV regular e recuperação imune auxiliaram no desfecho sem gravidade. Apesar da alta acurácia do teste antigênico por LFA, a avaliação clínica criteriosa, a feitura de culturas e o seguimento adequado são relevantes para uma melhor condução de pacientes imunodeprimidos em rastreio de CrAg.

The Brazilian Journal of Infectious Diseases

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools