Journal Information
Vol. 22. Issue S1.
11° Congresso Paulista de Infectologia
Pages 113 (December 2018)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 22. Issue S1.
11° Congresso Paulista de Infectologia
Pages 113 (December 2018)
EP‐153
Open Access
INFLUÊNCIA DA REVELAÇÃO DIAGNÓSTICA E DO SUPORTE RECEBIDO NA ADESÃO TERAPÊUTICA EM INDIVÍDUOS INFECTADOS PELO HIV POR TRANSMISSÃO VERTICAL
Visits
...
Beatriz Gomes Rodrigues, Priscila T. Julião Souza, Lenice do Rosário Souza
Faculdade de Medicina de Botucatu, Universidade Estadual Paulista (Unesp), Botucatu, SP, Brasil
Article information
Full Text

Ag. Financiadora: Pibic

N°. Processo: 46427

Data: 19/10/2018 ‐ Sala: TV 1 ‐ Horário: 13:44‐13:49 ‐ Forma de Apresentação: E‐pôster (pôster eletrônico)

Introdução: Adesão à terapia antirretroviral (TARV) depende de fatores ligados à própria medicação, do modo como o indivíduo entende a doença e do suporte recebido.

Objetivo: Entender aspectos relacionados à revelação diagnóstica e questões do acompanhamento de saúde de portadores do HIV, adquirido por transmissão vertical.

Metodologia: Foram entrevistados 22 pacientes que fazem acompanhamento em um serviço de referência no interior de São Paulo, com base em questionário semiestruturado.

Resultado: Do total, 95,4% faziam acompanhamento regular no Serviço, 59% eram mulheres, as idades variaram de 10 a 34 anos e 59% tinham 20 anos ou mais. Os principais sentimentos após a revelação diagnóstica foram medo (25,8%), tristeza (18,2%), raiva (18,2%) e nada (45,4%); 9% não lembravam o que sentiram. O número de episódios de doenças oportunistas durante a vida foi de pelo menos um em 81,7% e nenhum em 18,3%. Houve dificuldades de adesão à TARV em 63,3%, 57,1% na infância, 28,6% na adolescência e 28,6% na idade adulta. Essas foram relatadas por 100% dos pacientes que sentiram medo ou raiva após revelação diagnóstica, em contraste com 50% dos que não lembravam o tipo de sentimento ou nada sentiram, somados aos que sentiram tristeza. As principais causas de dificuldades de adesão na infância foram gosto ruim e náuseas (57% cada); na adolescência, raiva por ter a doença (75%) e, na idade adulta, gosto ruim (40%).

Discussão/conclusão: Apesar do acompanhamento regular, a maioria apresentou pelo menos um episódio de doença oportunista durante a vida, o que mostra que outros aspectos influenciam a plena adesão. Na infância, é necessária colaboração entre a equipe e a família, para que a criança entenda a importância de tomar medicamentos com possíveis efeitos colaterais, mesmo sem saber o diagnóstico. A adolescência traz entendimento melhor da doença, podem estar associadas vitimização e raiva dos pais, o que pode favorecer o abandono da TARV, caso não seja dado suporte psicológico individualizado. Pode‐se considerar a reação no momento da revelação diagnóstica para saber quem precisa de mais apoio: aqueles que não lembram o que sentiram, sentiram apenas tristeza ou não sentiram nada apresentaram, durante a vida, melhor adesão à TARV do que os que tiveram sentimentos de medo ou raiva. Se identificado esse último grupo, a equipe deve atentar‐se à possível necessidade de maior suporte e acompanhamento psicológico para evitar futuro abandono da medicação e desenvolvimento de doenças oportunistas.

The Brazilian Journal of Infectious Diseases

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools