Journal Information
Vol. 25. Issue S1.
12° Congresso Paulista de Infectologia
(January 2021)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 25. Issue S1.
12° Congresso Paulista de Infectologia
(January 2021)
EP‐209
DOI: 10.1016/j.bjid.2020.101287
Open Access
MELATONINA REDUZ A TOXICIDADE INDUZIDA PELA TERAPIA ANTIRRETROVIRAL (HAART) EM CAMUNDONGOS E PACIENTES COM HIV
Visits
...
Aurea Regina Telles Pupulin, Julia Barbosa, Ana Luiza Froes Martins, Flavia Rocha Nerone, Gabriel Fernandes Nessias, Miguel Spack
Universidade Estadual de Maringá (UEM), Maringá, PR, Brasil
Article information
Full Text

Ag. Financiadora: Fundação Araucaria

Introdução: A terapia anti‐retroviral altamente ativa (HAART) é o padrão de atendimento para o tratamento de pacientes com HIV/AIDS. Efeitos tóxicos associados à HAART consistem em neuropatia, miopatia, pancreatite, esteatose hepática, acidose láctica, lipoatrofia, complicações metabólicas, depressão e distúrbios do sono. A melatonina (n‐acetyl‐5‐methoxytryptamina), neuro‐hormonio encontra‐se em plantas e animais. Estudos indicam efeito antioxidante e anti‐apoptotico e demonstram que seu uso reduz a toxicidade de drogas usadas em vários tratamentos

Objetivo: Este estudo avaliou os efeitos da suplementação de melatonina (6mg/dia) em camundongos e pacientes com AIDS usando terapia HAART.

Metodologia: Para experimentos com animais foram utilizados grupos experimentais: (I) tratados com terapia anti‐retroviral por 15 dias, (II) tratados com terapia anti‐retroviral e melatonina 6mg/kg/dia por 15 dias, (III) animais não tratados. Peso corporal, ingestão de ração e água foram avaliados antes e após o tratamento; colesterol sérico, triglicerídeos, enzimas hepáticas (AST, ALT, GGT) e creatinina foram avaliados por métodos específicos. Para avaliação dos pacientes, o estudo foi realizado em um delineamento duplo‐cego, controlado por placebo e randomizado. Os pacientes foram divididos em dois grupos: Grupo I (HAART) pacientes que receberam placebo uma vez ao dia à noite. Grupo II (HAART+Melatonina) pacientes que receberam melatonina (6mg) uma vez ao dia à noite/30 dias. Avaliação clínica, emocional e laboratorial foi realizada antes e após tratamento.

Resultados: Os animais tratados com terapia anti‐retroviral e melatonina apresentaram maior ganho de peso corporal, menos hepatomegalia, menos ansiedade, níveis mais baixos de triglicerídeos, colesterol e enzimas hepáticas quando comparados aos animais tratados com terapia anti‐retroviral. O estudo com pacientes submetidos á terapia HAART revelou que 23% dos pacientes que utilizaram a melatonina tiveram uma diminuição nos níveis de glicemia e redução nos níveis de enzimas hepáticas (AST, ALT e GGT). Houve diferenças significativas entre os grupos no colesterol plasmático indicando que a melatonina poderia estar melhorando a composição lipídica do sangue. Pacientes que tinham depressão moderada melhoraram seus escores passando a depressão leve e observou‐se mais tempo e menos interrupção no sono.

Discussão/Conclusão: Considerando os resultados obtidos sobre efeitos colaterais da HAART a melatonina poderia ser usada combinada ao tratamento antiretroviral.

The Brazilian Journal of Infectious Diseases

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools